quinta-feira, 5 de junho de 2014

"Palavras de Cristal" volume II



[…]
um livro como Palavras de Cristal, é um produto cada vez mais raro, um estranho objecto que não cola à realidade circundante, ou se apresenta corajosamente alheio a este universo cada dia mais formatizado, imbecilizante e desumano que as centrais dos comportamentos globalizados nos pretendem impor como regra e modelo. […]

[…]
O lugar do corpo, esse espaço de todas as vibrações, de todos os apelos, da busca constante de apaziguamento, de dádiva que procura cumplicidade, apego para se tornar nítido rumor, está patente, de forma epigramática, no título desta colectânea, Palavras de Cristal. Ou seja, da pureza da matéria, junto à pureza do clamor, das vozes, das almas que aqui, neste espaço de papel, livremente se expressam, expõem e confundem. […]

[…]
Um livro corajoso, um livro que entrelaça as pontes, a matéria vibrátil por onde o discurso poético dos seus cultores se mantém constante e apodíctico.

Palavras de Cristal é, na sua aparente singeleza, um grito mais no deserto destes dias de economês tolhedor; colectânea que tardava; rumor de brisa – esperança que reabre a criação do poema, essa perecível matéria que nos mantém de pé e vivos!

do prefácio de Domingos Lobo